Sustentabilidade faz crescer procura por carros elétricos

Total de vendas de veículos eletrificados no primeiro semestre de 2020 foi mais que o triplo do mesmo período de 2019, com aumento de 221%

A transição energética, com a redução do uso de combustíveis fósseis e, consequentemente, menor emissão de gases de efeito estufa, vem ganhando cada vez mais evidência em um mundo onde a sustentabilidade passa a ter espaço cativo entre as preocupações da sociedade moderna. Como alternativa ao uso de gasolina e diesel, a procura por carros eletrificados – ou elétricos – cresce.

No Brasil, o interesse pelo assunto também está em alta. De acordo com a Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), o total de vendas de veículos eletrificados no primeiro semestre de 2020 foi mais que o triplo do observado no mesmo período de 2019, com aumento de 221% (de 2.356 unidades vendidas para 7.568), mesmo com os efeitos da pandemia do coronavírus.

“A semente está dando bons frutos, a questão da eletrização está muito forte”, afirma Thiago Sugahara, ao avaliar o desempenho do setor.

“Ano após ano, uma consciência cresce na sociedade e na indústria. Estamos atingindo um novo patamar da importação desses veículos e pretendemos investir mais na produção nacional. É um caminho sem volta, é o futuro”, alerta.

Mudança de vida

O arquiteto e urbanista Rogério Markiewicz conta que comprou o seu primeiro veículo elétrico há quatro anos. Ele afirma a motivação para ter um automóvel eletrificado veio após um olhar mais sustentável dentro do próprio ramo imobiliário.

“Faço prédios com uma visão ecológica. Precisamos de uma cidade mais limpa, condomínios mais sustentáveis, que convivam bem com as grandes capitais. Então pensei: ‘na minha vida também tenho que fazer isso’”, explica.

“Eu já reciclava lixo, tentava economizar água e luz, mas um dia me deparei que o meu meio de locomoção também é um grande impacto para a cidade”, diz Markiewicz. ” Tentei algumas alternativas para levar uma vida de uma forma mais ecologicamente correta. Meu primeiro carro elétrico ficou comigo por dois anos. Depois desse período, resolvi ter uma experiência pessoal. Queria descobrir como é viver em uma cidade sem carro, então passei um ano usando o transporte público. Agora adquiri outro veículo eletrificado”, conta.

Vantagens

Rogério Markiewicz, que também é presidente da Associação Brasileira dos proprietários de Veículos Elétricos inovadores (Abravei), diz que no Brasil há basicamente três tipos de veículos eletrificados: veículos elétricos plug-in, recarregáveis na tomada; híbridos, que funcionam a combustão e de forma elétrica; e, por último, o não plug-in, que são aqueles totalmente elétricos e funcionam por meio de uma bateria.

O presidente da Abravei explica que no Brasil já existem 15 modelos diferentes de veículos eletrificados, sendo 12 fabricantes diferentes.

“Se você não pretende ter um carro elétrico, não faça o teste-drive, pois, se fizer, irá se apaixonar. É um carro que não emite barulho e nem CO2. Legal essa questão de também não ter essa poluição sonora. É um veículo muito bacana de se dirigir e ter”.

Custo-benefício

No Brasil existem 300 eletropostos, postos de abastecimentos para esses carros, que estão espalhados em shoppings, supermercados, centros comerciais etc. “Nesses lugares, você tem uma bateria com carga muito rápida. Então você entra, toma um café e em cerca de 40 minutos tem 60% da sua bateria carregada, por exemplo”, diz Markiewicz.

Para o arquiteto e urbanista, outra economia é na manutenção. “Esse veículo não dá problema, não tem óleo, correia, água. Até o momento, eu só troquei o fio do ar condicionado”.

Sobre a bateria do carro, Markiewicz afirma que é duradoura e sustentável. “Ela tem uma garantia de 8 anos e dura cerca de 12 anos. Realmente ela é bem mais cara do que as outras, porém, mais duradoura. Outra questão é a sustentabilidade: quando descartada, ela tem mais 20 anos de vida útil e pode ser reciclada”.

Fonte: Metrópoles

Soluções sustentáveis podem influenciar na decisão de compra de um imóvel
A Região Serrana do Rio como alternativa na pandemia