Dengue no condomínio: como evitar a proliferação da doença?

Nós já estamos quase em março, mas o calorão do Rio de Janeiro segue firme, e, neste verão, em especial, tivemos muitos dias de chuvas fortes. Além dos perigos relacionados aos danos que a cidade sofre, ainda temos que tomar cuidado com um pequeno detalhe – que pode fazer um grande estrago: o mosquito Aedes aegypti.

O inseto, que é transmissor da dengue, zika e chikungunya, se prolifera, principalmente, nesta época do ano, com calor e chuvas. Para evitar que isso aconteça, a principal dica é evitar o acúmulo de água limpa e parada, que vira um criadouro do mosquito. Em condomínios, este esforço deve ser feito por moradores, síndicos e colaboradores, uma vez que a saúde de todos está em risco.

Segundo dados da Fundação Nacional de Saúde, a FUNASA, cerca de 90% dos focos de proliferação do Aedes aegypti estão nas residências. Isso mostra a importância da conscientização de todos em relação à questão. É essencial que os moradores inspecionem suas unidades regularmente, buscando erradicar tais focos. Para que isso se torne ainda mais comum, é interessante que o síndico disponibilize a todos um informativo de prevenção contra o mosquito. O material pode ficar exposto no quadro de avisos, no elevador ou ser colocado nas caixinhas de correio,

Apesar da maior parte dos focos estar concentrada nas residências, o condomínio não pode ficar descuidado. O síndico deve assegurar que sejam feitas inspeções regulares, evitando água parada nas áreas comuns do prédio. Uma dica é manter o escoamento da água desobstruído, evitando o empoçamento em calhas, lajes e marquises.

A piscina, obviamente, também merece uma atenção especial. Além do tratamento adequado à água, os objetos e mobília, como espreguiçadeiras e ombrelones, devem ser guardados de forma apropriada, para que estejam sempre secos. Os brinquedos do playground, como escorregas e gangorras, também devem ser monitorados, pois, após chuvas, podem ficar com água parada.

As caixas d’água, assim como as lixeiras, devem ser mantidas tampadas, e, além disso, devem receber sua manutenção periódica. Assim, a qualidade da água sempre será boa e os mosquitos não terão vez.

É essencial que exista uma união entre moradores, síndico e funcionários do condomínio, para que o ambiente seja livre de ameaças. A saúde de todos que ali habitam ou trabalham está em jogo, logo, é um assunto que merece total atenção.

Que tal pular o carnaval de forma consciente e sustentável?
Salas de ginástica – autuação pelo CREF1