Edificações verdes são a melhor opção de negócio imobiliário

Trabalhos de instituições nacionais e internacionais comprovam que as edificações sustentáveis elevam o valor do metro quadrado e ainda geram economia de recursos naturais

A sustentabilidade vem ganhando espaço no mercado da construção civil. As edificações verdes alcançaram um patamar histórico nos últimos dez anos e deixaram de ser um privilégio das construções de alto padrão. Atualmente, escolas, creches, lojas de varejo, comércio, residências, hospitais, entre outras edificações, públicas ou privadas, já são considerados sustentáveis. Hoje, a construção verde faz parte de um novo olhar sobre o planejamento urbanoe vem compor um panorama de inovação, com tecnologia e funcionalidade.

Parte desse crescimento está nos benefícios que as edificações verdes trazem às pessoas e ao meio ambiente. Além disso, as construções sustentáveis são consideradas hoje o melhor modelo de negócio no segmento imobiliário, agregando valor ao imóvel.

Estudo da Universidade de Harvard aponta que os ganhos financeiros atrelados às mudanças climáticas e melhoria com saúde e bem-estar oferecidos pelas edificações verdes são de 16,05 dólares por metro quadrado. Nesse cenário, de 2007 a 2016, o Brasil gerou uma economia total de 348 milhões de dólares, sendo 251 milhões em economia de energia, 11 milhões em economia por reverter impactos provenientes das mudanças climáticas, como mortes provocadas por poluição do ar ou prejuízos causados nas regiões costeiras, e 86 milhões em redução de poluição, resultando em menos absenteísmo e diminuição nos gastos com consultas médicas.

Além dos ganhos ligados à qualidade de vida e preservação ambiental, as construções verdes também agregam ganhos financeiros. Estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV), que analisou mais de 2.000 prédios comerciais na cidade de São Paulo, entre o primeiro trimestre de 2010 e o terceiro trimestre de 2014, aponta que as construções verdes são a melhor opção de negócio no mercado imobiliário. Os dados mostram que o reconhecimento de uma construção como sendo sustentável promove uma valorização por metro quadrado no aluguel de 4% a 8%.

No mesmo estudo, também se identificou que as construções verdes registraram taxa de vacância de 28,6% contra 34,1% nas edificações não certificadas. Outro ponto avaliado é que prédios verdes têm taxas de condomínio com valores entre 15% e 25% abaixo dos valores cobrados em edifícios convencionais. “Soma-se a isso uma percepção do mercado de que as pessoas têm uma predisposição para investir em imóveis sustentáveis, o que por si só agrega valor aos empreendimentos”, afirma Felipe Faria, diretor-executivo do Green Building Council Brasil (GBC Brasil) e presidente do Comitê dos GBCs das Américas pelo World Green Building Council.

Faria explica que o Brasil desponta nesse cenário como o quarto país no ranking mundial de edificações certificadas LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), certificação renomada no mercado imobiliário internacional, presente em 167 países. “O Brasil conta hoje com 1.283 projetos registrados, e destes, 478 certificados. Em 2017, foram 31 projetos novos e 72 certificados, números que têm mostrado crescimento, o que demonstra a maturidade que o mercado brasileiro de construções sustentáveis vem atingindo”, considera o executivo.

Fonte: Condomínios Verdes

O que você precisa saber sobre Isolamento Acústico em casa
O que você precisa saber sobre o Seguro Proteção da Cota Condominial