Aplicativo conecta catadores a quem deseja reciclar

Separar os resíduos corretamente e destiná-los para a reciclagem é uma atitude sustentável que faz a diferença para a saúde do nosso planeta. Muitos condomínios, porém, relatam grande dificuldade para encontrar um local que realize o descarte adequado desses materiais. Em várias cidades, o caminhão da coleta seletiva não atende todos os bairros, sendo assim, os síndicos recorrem às cooperativas ou catadores independentes em busca de parcerias. É nesse momento que surge um desafio: encontrar cooperativas e profissionais próximos ao condomínio.

Pensando em uma solução para tal problema, surgiu o Cataki, um aplicativo para smartphone que tem como objetivo conectar catadores independentes com quem deseja reciclar. Seu funcionamento é bastante simples. Após os catadores realizarem um cadastro na plataforma, o perfil de cada um fica disponível, e eles podem ser encontrados por pessoas que estejam perto de sua localização.

Disponível para Android e IOS, o aplicativo, que é uma espécie de “Tinder” da reciclagem, foi pensado para que qualquer catador, mesmo aqueles que não possuem acesso à internet, seja localizado. Assim que um usuário do aplicativo encontra um profissional próximo, ele entra em contato diretamente com o catador, através de uma ligação telefônica, para combinarem horário e local da coleta, assim como o valor da retirada. E depois, pronto! Deu match!

Idealizado pelo grafiteiro e ativista Mundano, fundador do Pimp my Carroça, uma ONG que luta para tirar os catadores da invisibilidade com ações criativas que utilizam o grafite para conscientizar, o aplicativo vem ganhando notoriedade. Tanto que, este ano, conquistou o prêmio de inovação do fórum Netexplo, observatório independente de estudos sobre o impacto de tecnologias na sociedade e nos negócios. A premiação, em parceria com a Unesco, selecionou 2 mil projetos, e o Cataki foi o grande vencedor.

“Lutamos pelo reconhecimento dos catadores de lixo, que são verdadeiros agentes ambientais. O app é uma forma alternativa de aumentar a renda dos catadores com um benefício ambiental sem preço”, disse Mundano, durante a cerimônia de premiação na sede da Unesco, em Paris. Desde que foi lançado, em julho de 2017, até fevereiro deste ano, mais de 300 catadores já foram cadastrados em 30 cidades brasileiras.

E então, prontos para dar match? Compartilhe com seus amigos!

Fonte: Secovi Rio

Com maior oferta, preço do aluguel cai na Zona Sul do Rio
Sancionado piso salarial com reajuste de 5% no estado do Rio