Como tornar o seu condomínio sustentável?

Dentre essas preocupações, o diferencial ecológico e uma maior sustentabilidade do condomínio pesa muito na hora de efetuar-se uma venda. Graças à preocupação crescente com os problemas derivados do aquecimento global e da grande atenção que a questão do respeito ao meio ambiente vem levantando na opinião pública mundial, tornar o condomínio sustentável (mesmo sem atingir o grau de certificação) pode representar um poderoso impulso na vontade de compra de nossos clientes.

Isso porque o cidadão de hoje já conhece as vantagens e benefícios de residir em um condomínio sustentável. A principal fonte de atenção é, sem qualquer sombra de dúvidas, a irresistível atração da grande economia que é feita nas contas das concessionárias de serviços como a água e a energia elétrica. Além disso, a construção de prédios que agridam o meio ambiente e que se tornem grandes fontes de problemas para os futuros moradores, já é vista com preocupação pela clientela mais abastada e mais instruída.

Isso porque eles são capazes de entender que, num futuro não muito distante, podem ser responsabilizados por esses problemas e vir a serem obrigados a arcar com grandes custos de adequação do imóvel.

Assim, tornar o condomínio sustentável, dá a devida segurança e a certeza de que os imóveis comprados não serão fontes de preocupações e de dissabores futuros com as autoridades. Além disso, representa um “plus” para os clientes ao saberem que residem em uma unidade habitacional planejada para interagir adequadamente com o meio ambiente no qual foi construída e que pode ser uma fonte de benefícios e de qualidade de vida para cada morador.

Mesmo que a construtora não busque a certificação, que é ainda um pouco complexa, as construtoras podem optar por coisas mais simples como o uso de aquecedores solares ao invés dos a gás, melhoria na disposição e tamanho das janelas para que a luz do sol seja aproveitada na maior parte do dia e se elimine a necessidade de iluminação artificial durante o dia. A instalação de sensores de presença ou minuteiras nas áreas comuns como corredores e escadas.

Reciclagem de resíduos provenientes do lixo produzido nos apartamentos, colheita e aproveitamento da água da chuva para irrigação de jardins e para a higienização das áreas comuns e na limpeza de carros e calçadas, instalação ou utilização de meios para obtenção de energia alternativa como a solar e a eólica e até mesmo a criação de um poço artesiano para coleta de água que seja usada também na limpeza e na lavagem de carros pode representar uma enorme economia no custo com as contas de água do condomínio e representar um poderoso atrativo para compradores.

Com pequenas medidas e um investimento mais bem planejado, qualquer construtora pode atingir os fundamentos de como tornar o condomínio que esteja em planejamento em um condomínio sustentável. Basta usar a imaginação e garantir bons negócios e bons lucros.

Preços dos aluguéis caem 3,34% em 2015, aponta FipeZAP
Segurança eletrônica: tendência é a integração das tecnologias